IIGD Ograce

20/05/2010 - DEUS AINDA ABRE OS CÉUS

  • Envie por Email
  • Imprimir

“E aconteceu, no trigésimo ano, no quarto mês, no dia quinto do mês, que, estando eu no meio dos cativos, junto ao rio Quebar, se abriram os céus, e eu vi visões de Deus” (Ezequiel 1.1).

Ezequiel foi sacerdote e profeta que, embora fizesse parte do povo cativo, viu os céus serem abertos. Ele foi um contemporâneo de Daniel e, provavelmente, um dos discípulos de Jeremias. Seu ministério foi todo exercido no cativeiro babilônico, tendo começado a profetizar no quinto ano em que se encontrava entre os cativos. Suas visões eram complexas, mas a mensagem, de fácil entendimento.

Esse servo do Senhor foi enviado aos filhos de Israel, que, por causa da prevaricação, haviam sido levados a uma terra distante, como cativos. Apesar de ser mais um entre os que se encontravam na escravidão, para Ezequiel, os céus se abriram, e, então, ele teve visões divinas. Meu irmão, são essas visões que temos, de acordo com a Palavra do Senhor, que nos fazem ser úteis nas mãos dEle. De fato, todo estudo que fizermos dos assuntos cotidianos é importante, mas o que aprendemos das Escrituras é o que se faz necessário para a realização da vontade divina. Quem tiver revelações de Deus deverá colocar-se de pé para anunciar o que lhe foi mostrado.  

Não podemos criar coisa alguma para ajudar as pessoas a se achegarem ao Pai. Até mesmo o fato de nos colocarmos de pé deve ser feito com a ajuda divina. O Altíssimo, após conceder aquelas visões a Ezequiel, ordenou-lhe que se levantasse, porque queria falar com ele – mas isso só ocorreu quando o Espírito de Deus entrou naquele homem e o ergueu. Meu irmão, a visão que uma pessoa possa ter tido não a faz preparada para o ofício que vai desempenhar. É preciso que ela ouça a voz do Senhor, aprenda mais dEle, para que possa falar em Seu Nome. Não se deve ordenar um neófito, mas, sim, colocá-lo no discipulado até que sua preparação se complete.

O Altíssimo tinha um propósito naquele cativeiro; afinal, era Seu povo que lá estava, e não era por acaso que aquela situação vexatória estava ocorrendo. Ora, a Palavra sempre Se revela onde Deus deseja Se fazer conhecido. Aqueles déspotas não poderiam manter os filhos do Altíssimo para sempre em suas mãos. Os israelitas deveriam, primeiro, saber que um profeta esteve entre eles, e, quer ouvissem, quer não, o testemunho seria dado. Não temos condições de julgar o que está ocorrendo no mundo, mas, pela fé, podemos entender que a mão divina está operando em todas as nações. Quando o Senhor restaurar a sorte do Seu povo, ficaremos como os que sonham (Salmo 126.1).

Provavelmente, Ezequiel tinha a mesma idade de Daniel. Deus lhe mostrou que Seu povo, às ocultas, cometia todo tipo de erro. Um “buraco na parede” era tudo aquilo de que ele precisava para entender o que faziam às escondidas. Hoje, isso também acontece: se Deus nos revela uma pequena coisa, basta cavar para ver a imundícia que separa muitos servos do Senhor da Sua divina presença. Portanto, fuja do cativeiro do pecado e ande no caminho de retidão, crendo que o Deus de Ezequiel é o mesmo que pode abrir os céus para você hoje. Creia nessa palavra e fique firme!

Em Cristo, com amor,

R. R. Soares

Todos os direitos reservados à Igreja Internacional da Graça de Deus · O site do povo de Deus.

fechar

De que maneira as mensagens diárias têm abençoado sua vida?

*todos os campos são obrigatórios

fechar

Pedido de Oração

*todos os campos são obrigatórios

fechar

Enviar Mensagem por Email